Etapa 4

right icon COPPER X PRIX
Antofagasta – Chile 24-25 de setembro
mapa etapa

2º Lugar - 18 Pontos

A crise climática ameaça levar à extinção espécies endêmicas do ecossistema do deserto do Atacama no Chile, como a rã do Loa, uma espécie microendêmica atualmente integrada em um plano de reprodução e reintrodução após a completa seca do arroio onde habitavam. O Extreme E apoiará o plano de conservação deste anfíbio.

Sem biodiversidade não há futuro. Os ricos ecossistemas de deserto do Atacama, um dos desertos mais fascinantes do planeta, estão ameaçados pela crise climática. Espécies de flora e fauna, que habitam neste ecossistema há milhares de anos, muitas delas endêmicas, enfrentam o desafio de se adaptar ou acabam por desaparecer diante das novas condições produzidas pelas mudanças decorrentes da ação do homem.

Este é o exemplo da rã do Loa, um anfíbio microendêmico, ou seja, que vive apenas em um lugar pequeno, no ambiente chileno de Las Vertientes em Calama, na região de Antofagasta. O arroio onde habitavam secou em 2019, o que forçou o resgate das únicas 14 rãs que restaram com vida para evitar sua extinção.

Este é o exemplo da rã do Loa, um anfíbio microendêmico, ou seja, que vive apenas em um lugar pequeno, no ambiente chileno de Las Vertientes em Calama, na região de Antofagasta. O arroio onde habitavam secou em 2019, o que forçou o resgate das únicas 14 rãs que restaram com vida para evitar sua extinção.

É de suma importância manter a conscientização dos seres humanos para a utilização respeitosa do meio ambiente fim de não só mitigar os seus impactos, mas também reparar seus efeitos e, em última análise, gerar um impacto positivo que permita um equilíbrio contínuo e sustentável dos ecossistemas. O exemplo da conservação e reintrodução da rã do Loa ilustra perfeitamente essa aspiração.

DESAFIO

A mudança climática está colocando em risco a sobrevivência e o equilíbrio ecossistêmico do deserto do Atacama, onde milhares de espécies endêmicas tentam se adaptar a uma nova realidade climática. Este é o caso da rã do Loa, uma espécie nativa à beira da extinção, agora integrada a um plano de reprodução coordenado pelo Zoológico Nacional de Santiago para preservá-la e reintroduzi-la em seu ecossistema natural.

SOLUÇÕES

  • A organização Extreme E trabalhará com instituições chilenas como o Museu de História Natural e Cultural do Deserto do Atacama para reforçar a proteção e reintrodução da rã do Loa em um ambiente próximo a Calama. Um trabalho realizado em conjunto com o programa de reabilitação e reprodução liderado pelo Zoológico Nacional de Santiago e que já produziu bons resultados, chegando ao nascimento de 200 girinos.

NOTÍCIAS PARA TER EM MENTE

NOTÍCIAS PARA TER EM MENTE

close icon