Etapa 2

right icon ISLAND X PRIX
Sardenha – Itália 06-07 de Julho
mapa etapa

4º Lugar - 12 Pontos

Ilhas como a Sardenha, na Itália, sofrem as consequências do aumento da temperatura e das ondas de calor em seus ecossistemas: a perda de prados de ervas marinhas de Posidonia oceanica e os incêndios florestais são dois exemplos claros.

O aumento das temperaturas, as ondas de calor cada vez mais intensas e os incêndios florestais afetam todos os continentes. Os incêndios devastadores do verão de 2021 ainda estão presentes na memória dos italianos. Segundo o Extreme E, em 2021, os incêndios "devastaram 20.000 hectares de terra, deslocaram mais de 1.000 pessoas e mataram cerca de 30 milhões de abelhas".

A propagação dos incêndios está estreitamente relacionada a fenômenos como secas e desertificação. Além disso, os incêndios contribuem para as mudanças climáticas ao liberar dióxido de carbono na atmosfera, um dos gases responsáveis pelo aquecimento do planeta. Você sabia que os bosques absorvem 7,6 bilhões de toneladas métricas de dióxido de carbono em nível mundial?

Imagen Ocean

A propagação dos incêndios está estreitamente relacionada a fenômenos como secas e desertificação. Além disso, os incêndios contribuem para as mudanças climáticas ao liberar dióxido de carbono na atmosfera, um dos gases responsáveis pelo aquecimento do planeta. Você sabia que os bosques absorvem 7,6 bilhões de toneladas métricas de dióxido de carbono em nível mundial?

Além disso, os ecossistemas de ervas marinhas de Posidonia oceanica ao redor da Sardenha também são ameaçados pelo aquecimento global. As ervas marinhas são capazes de reter 10% do carbono oceânico, portanto, proteger esses ecossistemas é vital para combater a crise climática.

DESAFIO

A crise climática não está reduzida apenas a áreas remotas. É algo que afeta a todos nós. Regiões como a Sardenha sofreram nos últimos meses com as intensas ondas de calor e incêndios florestais que põem em risco a saúde dos ecossistemas da ilha. Entretanto, existe um caminho muito claro para reduzir a intensidade dos eventos climáticos extremos e reduzir o aquecimento global: diminuir as emissões de carbono, acelerar a transição energética e implantar um modelo de consumo circular.

SOLUÇÕES

  • Na segunda temporada, o Extreme E continua o monitoramento dos projetos de carbono verde e azul iniciados em 2021, nos quais eles trabalham em conjunto com a Fundação MEDSEA (Fundação Mar Mediterrâneo e Costa). A organização contribuirá para apoiar a restauração das florestas afetadas pelos incêndios na Itália e para reabastecer os prados de ervas marinhas nas áreas protegidas ao redor da Sardenha.

SAIBA COMO FOI

NOTÍCIAS PARA TER EM MENTE

NOTÍCIAS PARA TER EM MENTE

close icon